últimas notícias

Notícias

Nota de Repúdio

Publicado em : 10/05/2019

Autor : Ascom

O governo Bolsonaro, em mais um de seus pronunciamentos via Facebook, tentou explicar na noite de ontem, 9, os cortes que vem sendo realizados na Educação. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, que assumiu a pasta no dia 8 de abril, usou chocolates para exemplificar o que segundo ele é um “contingenciamento” de gastos.

  

Durante o pronunciamento, o ministro usou 100 chocolates, que representariam os 100% da verba destinada para as universidades federais, a fim de demonstrar como os cortes aconteceriam na prática. Além de ser uma demonstração simplista e mentirosa sobre o processo de “contingenciamento” de verbas, os quase 40 minutos de pronunciamento não foram suficientes para que Weintraub apresentasse dados e fundamentos para os cortes direcionados à educação.

 

O único momento em que o ministro apresenta uma motivação para os cortes de verba é quando aborda a incerteza quanto a aprovação da reforma da Previdência, colocada pelo governo Bolsonaro como essencial para o crescimento da economia brasileira. Por meio dessa fala, Weintraub cria uma relação entre a demora para a aprovação da reforma e as medidas anunciadas pelo Ministério da Economia, apontado por ele como o responsável por determinar a contingência de gastos.   

 

Além de todas as problemáticas já apontadas, o Ministro da Educação ainda usou de imenso exagero para falar do orçamento para as Universidades Federais. O que poderia ser apontado como um simples erro, diante das tentativas de desmonte que essas instituições têm enfrentado não pode ser interpretado de forma leviana, afinal, uma fala de um representante do governo tem muita influência na população e na opinião pública.

 

O ministro afirma que “geralmente” universidades brasileiras têm orçamento próximo de R$ 1 bilhão de reais e quando indagado por Bolsonaro sobre essa quantia, Weintraub vai ainda mais longe. “Algumas têm quase quatro (bilhões), três (bilhões) e meio, algumas menos. Mas vamos supor, assim, uma das que a gente encontra com mais facilidade: um bilhão de reais por ano”.

 

Para efeito de comparação, segundo o reitor da UFG (Universidade Federal de Goiás), Edward Madureira, o orçamento previsto em 2019 para a universidade, que está entre as 20 melhores do País, era de R$ 90 milhões para custeio e R$ 8,2 milhões voltados para investimentos. Diante desses dados, como podemos levar a sério as falas e as determinações de um ministro que parece tão desconectado com a realidade da educação brasileira?

 

ADUFG – Sindicato.

Goiânia, 10 de maio de 2019.

Remover Filtro

Observatório do Conhecimento manifesta preocupação com a asfixia financeira a que está submetido o CNPQ

16/08/2019

Docentes atenção: a Subsede de Catalão estará fechada na próxima terça-feira, 20/08

16/08/2019

Observatório do Conhecimento divulga análise Preliminar sobre o Future-se

16/08/2019

“O Future-se é um 'Fature-se' no qual a universidade pública não cabe”, afirma PROIFES na Câmara dos Deputados

16/08/2019

Presidente do ADUFG e diretor da Federação, professor Flávio Alves da Silva, participou da Audiência em Brasília

Professora Heliana de Almeida realiza exposição no HGG

16/08/2019

ImagemArte será promovida em parceria com a artista Neusa del Monte e a abertura está marcada para o dia 20 de agosto, às 19h30

Alego presta homenagem ao presidente da UNE e ex-presidente do ADUFG

15/08/2019

Iago Montalvão e Romualdo Pessoa serão prestigiados em solenidade na noite de hoje 

Marcha das Margaridas reúne 100 mil pessoas em Brasília

15/08/2019

Adufg integrou a maior ação de mulheres da América Latina e auxiliou no transporte das manifestantes 

 

Professora Norma Simão Adad Mirandola lança seu quarto livro na sede do Adufg-Sindicato

15/08/2019

Livro reúne 1.308 frases de para-choques de caminhão e será lançado na próxima quinta-feira, 22, às 18 horas 

O forasteiro e a UFSM

15/08/2019 Marcelo Canellas

Andifes e parlamentares solicitam ao MEC o fim do bloqueio

15/08/2019 Andifes

Expectativa da Associação é de que já no mês de setembro os recursos sejam desbloqueados e descontingenciados

voltar para página anterior
Adufg - Sindicato dos Docentes das Universidades Federais de Goiás