Notícias

Autor: Ascom Adufg-Sindicato

Publicado em 10/11/2021 - Notícias

Universidades federais goianas ainda não se posicionaram sobre implantação de passaporte de vacinação

Adufg-Sindicato, Sint-Ifesgo e DCE aguardam resposta oficial; Instituições de outros estados, como o Rio Grande do Sul, anunciaram que adotarão a medida

Universidades federais goianas ainda não se posicionaram sobre implantação de passaporte de vacinação

A Universidade Federal de Goiás (UFG), a Universidade Federal de Jataí (UFJ) e a Universidade Federal de Catalão (UFCAT) ainda não se manifestaram sobre o pedido de implantação imediata do passaporte de vacinação dos professores, técnicos e alunos. Na última semana, a solicitação foi encaminhada às reitorias das três instituições por meio de ofício assinado pelo Sindicato dos Docentes das Universidades Federais de Goiás (Adufg-Sindicato), Sint-Ifesgo e Diretório Central dos Estudantes (DCE).

Medidas neste sentido já têm sido adotadas em outros estados. Na última sexta-feira (05/11), o Conselho Universitário da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) aprovou a obrigatoriedade de apresentação do comprovante vacinal para a Covid-19 para a realização de atividades presenciais em todas as unidades da universidade.

No documento enviado às universidades federais goianas, Adufg-Sindicato, Sint-Ifesgo e DCE ressaltaram a importância da vacinação para o retorno das aulas presenciais. “O descaso com a necessidade de vacinação e a falta de exigência não oferecem segurança para o retorno presencial das aulas, podendo levar a resultados desastrosos, como surtos de contaminação e óbitos”.

De acordo com o presidente do Adufg, professor Flávio Alves da Silva, as três entidades que assinaram o ofício ainda aguardam uma posição oficial das universidades. No entanto, segundo ele, caso as instituições não respondam, outras medidas serão tomadas no sentido de garantir a segurança de toda a comunidade acadêmica. “A vacinação é uma necessidade para o retorno seguro das aulas presenciais. É preciso que se estabeleça uma normativa interna que torne a imunização obrigatória para o acesso e permanência nas dependências das universidades”, destaca.