Notícias

Autor: Ascom Adufg-Sindicato

Publicado em 12/11/2021 - Notícias

Necessidade do passaporte de vacinação contra a Covid para o retorno presencial é tema de reunião entre Adufg, Sint-Ifes e UFJ

Entidades querem que retomada das atividades presenciais ocorra de forma segura

Necessidade do passaporte de vacinação contra a Covid para o retorno presencial é tema de reunião entre Adufg, Sint-Ifes e UFJ

Com o objetivo cobrar maior segurança de professores, servidores e estudantes na retomada das atividades presenciais, representantes do Sindicato dos Docentes das Universidades Federais de Goiás (Adufg-Sindicato) e do Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos em Educação (Sint-Ifesgo) estiveram reunidos nesta sexta-feira (12/11), com a vice-reitora da Universidade Federal de Jataí (UFJ), professora Giulena Rosa Leite. Na ocasião, foi cobrada a exigência do passaporte de vacinação da comunidade acadêmica contra o coronavírus (Covid-19).

Durante a reunião, o diretor de Assuntos Interinstitucionais do Adufg-Sindicato, professor Luís Antônio Serrão Contim, reforçou a necessidade da medida. “O passaporte é fundamental para que possamos retornar com segurança. A preservação da vida é o mais importante em qualquer circunstância, uma vez que o bem coletivo é mais importante do que qualquer pressuposto direito individual de um membro da comunidade de não querer ser vacinar”, destacou.

A vice-reitora da UFJ, por sua vez, informou que um grupo de trabalho tem discutido o retorno presencial. Segundo ela, um plano será avaliado pela Câmara Superior de Graduação e, em seguida, levado ao Conselho Universitário.

Na última semana, Adufg-Sindicato, Sint-Ifesgo e Diretório Central dos Estudantes (DCE) encaminharam ofício às três universidades federais goianas para tratar sobre o assunto. No documento, as três entidades ressaltaram a importância da vacinação para o retorno das aulas. “O descaso com a necessidade de vacinação e a falta de exigência não oferecem segurança para o retorno presencial das aulas, podendo levar a resultados desastrosos, como surtos de contaminação e óbitos”.