últimas notícias

Notícias

Câmara altera 3 pontos da Reforma e análise de destaques continua nesta sexta

Publicado em : 12/07/2019

Fonte : Jornal Estadão -

A Câmara dos Deputados encerrou às duas da madrugada desta sexta-feira, 12, a sessão que analisava os destaques da reforma da Previdência. O plenário não conseguiu analisar todas as sugestões de alterações ao texto-base, mas três pontos foram alterados.

Ainda faltam oito destaques, que devem ser apreciados em sessão desta sexta-feira. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), marcou uma nova sessão para as 9h.

Ao fim da sessão, Maia afirmou que havia risco de se votar os próximos destaques com os deputados já cansados. “Tinha risco de um supressivo e já tinham dois partidos obstruindo”, disse. “Amanhã a gente termina os destaques, encaminha para comissão especial e vê se a gente consegue ainda mobilização para votar o segundo turno”, afirmou.  Maia, no entanto, demonstrou preocupação em manter um quórum qualificado em uma sexta-feira. “Não sei quando termina, quero que termine tudo amanhã à noite ou sábado de manhã”, disse.

Questionado se caso a aprovação fique para o segundo semestre seria prejudicial a reforma, ele afirmou que o melhor é terminar tudo. “Mas como o Senado não vai votar agora, não vejo nenhuma gravidade, mas o ideal é que a gente possa terminar tudo amanhã e ainda nesse semestre”.

No texto-base, aprovado na noite de quarta-feira, 10, foram modificadas as regras do cálculo do benefício para mulheres, do tempo mínimo de contribuição para homens e das idades mínimas que serão exigidas de policiais. 

O que mudou

Tanto homens quanto mulheres passaram a ter regras um pouco mais vantajosas, com o tempo de contribuição mínimo permanecendo em 15 anos, como é hoje. As mulheres ficaram, contudo, com regras de cálculo do benefício um pouco melhores.

Por meio de emenda aglutinativa apresentada pelo DEM, o benefício para as mulheres será de 60% da média salarial de contribuição, com dois pontos percentuais para cada ano a mais de trabalho a partir dos 15 anos de contribuição.

Para os homens, essa regra de dois pontos percentuais a cada ano só valerá a partir dos 20 anos de contribuição. A condição foi estabelecida pelo destaque apresentado pelo PSB, que permitiu que eles se aposentem após 15 de contribuição.

Já as alterações para policiais foram feitas por meio de uma emenda aglutinativa apresentada pela bancada do Podemos. Ela reduziu a idade mínima exigida para policiais federais, policiais civis do Distrito Federal e agentes penitenciários e socioeducativos federais desde que eles cumpram a regra de pedágio de 100% do tempo de contribuição que faltar para se aposentar. Ou seja, vão precisar trabalhar o dobro do tempo que falta para se aposentar.

Para essas categorias de segurança pública, a idade mínima será de 52 anos para mulheres e de 53 anos para homens mais o pedágio. Caso essa condição não seja cumprida, a idade exigida segue sendo a de 55 anos para ambos os sexos, conforme previsto no texto original. Nos dois casos, o tempo de contribuição tem de ser de 25 anos para mulheres e de 30 anos para homens, com 15 e 20 anos de serviço policial respectivamente. 

Professores

O destaque dos professores, apresentado pelo PDT, ficou para ser analisado na sessão desta sexta-feira.  Ele propõe reduzir a idade mínima para 55 anos no caso dos homens e 52 anos no caso das mulheres. A alteração atinge professores federais, de instituições privadas e dos municípios que não têm regimes próprios.

Pelo texto aprovado na quarta-feira, os professores se aposentarão com 60 anos (homens) e 57 anos (mulheres), com 25 anos de contribuição. Hoje, não há idade mínima, mas se exige tempo de contribuição de 25 anos (mulheres) e 30 anos (homens) no setor privado. No setor público, a idade mínima exigida é de 50 anos (mulheres) e 55 anos (homens), com 25 anos (mulheres) e 30 anos (homens) de tempo mínimo de contribuição, sendo 10 anos como servidor público e 5 anos no cargo de professor.

Remover Filtro

Goiânia sedia 2º Simpósio sobre a importância da mulher na construção de um parlamento democrático

20/09/2019

Evento reúne instituições de Goiás para discutir participação da mulher na política. Diretora do Adufg, Geovana Reis, integra o Simpósio 

Muito mais que uma carteirinha

20/09/2019

Artigo publicado por Iago Montalvão, presidente da UNE, na Folha de São Paulo

ADUFG e UFJ promovem Festival Todas As Artes, em Jataí

20/09/2019 Monique Arruda - Comunicação Adufg

Evento acontece de 19 a 21 de setembro e contará com shows de artistas renomados, oficinas, espetáculos teatrais e mostra de cinema 

Docentes da UFG recebem honraria da Câmara de Goiânia

19/09/2019

Solenidade aconteceu nesta quinta-feira, dia 19 de setembro, no plenário da Casa

Ex-presidentes da Andifes lançam manifesto em defesa das universidades

18/09/2019

23 ex-dirigentes alertam que mais de 300 campi serão afetados se o bloqueio de recursos não for revertido 

ADUFG convoca para Assembleia Extraordinária

18/09/2019

Reunião falará sobre a paralisação nacional da educação nos dias 2 e 3 de outubro

ADUFG integra Assembleia Universitária da UFG

18/09/2019

Comunidade acadêmica discutirá sobre a situação orçamentária e o Programa Future-se no Centro de Eventos do Campus Samambaia 

ADUFG participa de debate na Câmara Municipal sobre a crise e os cortes de verbas da UFG

17/09/2019 Monique Arruda

Sessão foi proposta pelo vereador Anselmo Pereira e será realizada nesta quinta-feira (19). Na oportunidade, vários docentes e pesquisadores serão homenageados 

ADUFG protocola mandado de injunção para que docentes que tenham deficiência possam se aposentar de forma especial

16/09/2019

Em painel sobre Estado de exceção, Jacson Zilio fala sobre como o lawfare tenta conquistar a opinião popular

16/09/2019 Texto: José Abrão/ Fotos: Jean Souza (estagiário de Jornalismo)
voltar para página anterior
Adufg - Sindicato dos Docentes das Universidades Federais de Goiás